Venham cursar a disciplina eletiva: Sistemas a Eventos Discretos

E se eu dissesse a vocês que existe todo um "novo" tipo de sistema, sobretudo tecnológico e altamente complexo, no qual todas as técnicas de controle e modelagem clássicas são completamente inúteis? Isto é, sem transformada de Laplace, sem função de transferência...
Se observarmos bem, em um mundo em que a eletricidade exerce um papel vital e onde os sistemas computacionais são quase que uma extensão de nossas mentes, há um grande número de variáveis, as quais lidamos cotidianamente, que têm uma natureza ligeiramente diferente: são todas elas "discretas", que envolvem frequentemente algum tipo de contagem de números inteiros, como quantas janelas estão abertas no sistema operacional, qual a cor do semáforo no momento etc.
 
Todos estes sistemas tem como principal característica a evolução baseada na ocorrência de eventos, que provocam transições entre estados. Por exemplo, um caixa eletrônico exibindo a tela de boas-vindas é um estado. Se alguém insere o cartão ou pressiona um botão, o sistema muda de estado. Claramente este não é um sistema regido pelo tempo.
 
Por exemplo (robôes em uma célula de manufatura). Considere uma célula de manufatura formada por duas máquinas A e B e um robô o R que transporta as peças de A para B como ilustra a figura. A máquina A recebe peças para sejam cortadas e quando as peças estão prontas, elas são recolhidas pelo robô R.
robo-fms
Toda a classe de Sistemas dinâmicos em que a evolução decorre a partir de eventos instantâneos, repetitivos ou casuais são chamados "Sistemas a Eventos Discretos". Vale ressaltar que um sistema a Eventos Discretos não é o mesmo que um sistema de tempo discreto (isto é, um sistema discretizado, em que a evolução ainda se dá pelo tempo), em que técnicas como a transformada Z são aplicáveis.
 
É para esta classe de sistemas que se dirige a disciplina. Então fica aqui o convite!
O plano de ensino está disponível em <CAT342 - plano de ensino>.